Aula 01 -  o que é, como é e onde é vídeo

Nessa semana buscamos:

Conhecer definições de vídeo; reconhecer espaços e locais do vídeo; visualizar uma diversidade de formas de se trabalhar com vídeo na arte contemporânea.

Por quem passamos?

Apichatpong Weerasethakul, Bruce Nauman, Bill Viola, Cao Guimarães, Dan Graham, Fred Forest, Isaac Julien Mauricio Saenz, Nam June Pai, Natalie Bookchin, Vilém Flusser,

Pontos de destaque:

Quais termos apareceram nas definições do que é vídeo?

- Estratégia híbrida, procedimento de interligação midiática, rede de conexão entre práticas artísticas:

 

-Processo descentralizado de linguagem, instrumento epistemológico

- Meio para uma forma de existir, corporificação de relacionamentos

 - Estágio de transição do filme para o computador, mediador da transição do cinema para o digital: Dan Graham, Bill Viola.

 

Observando os próprios vídeos, buscamos responder: Onde é vídeo?

Nas redes sociais,

na televisão (em uma ou em muitas),

 em programas televisivos,

 no corpo,

na rua,

no espaço da galeria/museu,

em sistemas de vigilância,

no cotidiano despretensioso,

nas bordas e membranas.

 

 

E, por fim, prestamos atenção em Como é vídeo?

Em um único ou em múltiplos frames de uma mesma tela,

em múltiplas telas sincronizadas ou dessincronizadas,

em planos sequência de diálogos,

em jogos com o tempo,

em planos amplos ou detalhados,

em articulação de discursos verbais, e

m diálogo como espaço interno e externo,

gravado como registro,

como ficção, a

ao vivo

ou híbrido.