Aula 04 - Conceitualismos e Arte Conceitual

Nessa semana, buscamos:

- Compreender distintos aspectos dos fenômenos que envolvem a arte conceitual e os conceitualismos globais.

O que nós vimos?

- Tecnologias, informação e conceitualismo

- Arte Conceitual - Nova Iorque

- Conceitualismos latino-americanos

- Conceitualismos africanos?

 

.

Por onde passamos?

Pelo entendimento das práticas conceitualistas nas décadas de 1960 e 1970, problematizando a ênfase da arte centralista nas práticas de Nova Iorque. Consideramos especialmente as colaborações do curador africano Okwui Enwezor para tal debate, além de Luis Camnitzer.

Para percebermos que...

- Aspectos da curadoria das exposições Cybernetic Serendipity (1968), Information (1970), Software (1970), Arteônica (1971).

- Arte Conceitual de Nova Iorque, a partir do livro Xerox Book, publicado por Seth Siegelaub.

- Conceitualismos latino-americanos, passando por eventos como Tucuman Arde, Luis Camnitzer, Augusto Caro, Artur Barrio, Paulo Bruscky, etc.

- Conceitualismos africanos, passando pela Capoeira Angola, Fela Kuti, Laboratoire Agit-Art, etc.

Observando que...

- Pode ser problemático reduzirmos práticas africanas ao cânone da arte ocidental que define o que é conceito. As divisões entre corpo e mente, tão tradicionais do pensamento ocidental, possuem sua força dentro da arte conceitual e a América Latina e África não necessariamente reduzem suas práticas à tais dicotomias.

- São inegáveis as contribuições da Arte Conceitual produzida nos centros hegemônicos, como Nova Iorque e Londres. A história da arte, todavia, por vezes ignorou práticas artísticas conceitualistas ou as relegou a meras versões empobrecidas. Recentes teorias mostram que tal construção não se sustenta.

- Informação, tecnologia, computadores estavam relacionados claramente com as discussões sobre Arte Conceitual, como fica claro nas exposições que estudamos.

.

Lista de links usados na videoaula:

(atualizando)