Aula 05 - A fotografia e o real

Na nossa quinta semana, buscamos:

Conhecer três abordagens dos séculos XIX e XX para o real na fotografia: a fotografia como mímese, como código e como traço.

Por onde passamos?

- Por fotografias de Guerra "meio reais e meio ficcionais", como as de Alexander Gardner.

- Por Eugène Atget e a documentação da arquitetura parisiense.

- Pela consideração da Antropologia para a fotografia como um meio codificado culturalmente.

- Pela abordagem de Lázlo Moholy-Nagy para a luz.

- Por práticas fotográficas de artistas como Yuri Firmeza e Alair Gomes.

Para percebermos que...

  1. A fotografia como espelho do real (o discurso da mimese)

- É considerado o primeiro e primário discurso sobre a fotografia.

- Considera a fotografia a partir de uma capacidade mimética que advém de sua natureza técnica.

- A fotografia não é vista como são as obras de arte, que dependem do gênio e do talento manual do artista.

- Tal discurso, o discurso da mímese, marca o século XIX, com a reação dos artistas contra o domínio crescente da indústria técnica na arte. Os artistas são contra o afastamento da criação e do criador da obra, diante do avanço técnico sobre a representação da realidade. A fotografia é uma ameaça para a arte e sua aura.

- A fotografia é vista aí como simples instrumento de uma memória documental do real e a arte como pura criação imaginária.

- No fim do século XIX, como uma reação a tal abordagem, surge a prática do pictorialismo: tratar a foto exatamente como uma pintura, manipulando a imagem de todas as maneiras: efeitos sistemáticos de flou como num desenho, encenação e composição do sujeito e sobretudo: inúmeras intervenções posteriores sobre o próprio negativo e sobre as provas, com pincéis, lápis, instrumentos e vários produtos.

II. A fotografia como transformação do real (o discurso do código e da desconstrução)

- O século XX irá insistir mais na ideia da transformação do real pela fotografia.

- Certos teóricos irão sublinhar , uma codificação que desloca a noção de realismo de sua fixação documental para o que se poderia chamar de princípio de uma verdade interior.

- Passa-se a considerar que a caixa preta fotográfica não é um agente reprodutor neutro, mas uma máquina de efeitos deliberados.

- Contra a imagem capturada, contra a redução da fotografia a documentação do real, emerge por exemplo, um jogo com a imagem convocada e construída, com pose e plasticidade. (Diane Arbus)

- E aí, alguns autores que pensam a partir do código são:

- Rudolf Arnheim:

Resumidamente, para ele a fotografia aparece ao mundo como uma imagem determinada ao mesmo tempo pelo ângulo de visão escolhido, por sua distância do objeto e pelo enquadramento; em seguida, a fotografia reduz a tridimensionalidade do objeto a uma imagem bidimensional e o campo das variações cromáticas a um contraste de preto e branco; finalmente, a fotografia isola um ponto preciso do espaço-tempo e é puramente visual. Ou seja: esse é o enquadramento limitado de realidade que a fotografia consegue alcançar.

- Baudry:

Por vez, o Baudry irá colocar que a imagem nada tem de um dado natural, pois os princípios que presidem a construção de um aparelho fotográfico estão vinculados a uma noção convencional do espaço e da objetividade que foi elaborada na câmera obscura. A fotografia, sendo assim, recuperou um sistema de construção de espaço que estava já carcomido, caquético, antigo e superado.

- Antropologia: a significação das mensagens fotográficas é de fato determinada culturalmente. Ela não se impõe como uma evidência para qualquer receptor, que sua recepção necessita de um aprendizado dos códigos de leitura. O dispositivo fotográfico é, portanto, de fato um dispositivo codificado culturalmente.

 

 III. A fotografia como traço de um real

- Tal concepção têm como ponto de partida o princípio elementar da impressão luminosa, a ideia de que a fotografia é regida pelas leis da física e da química. Ou seja, leva em consideração que a fotografia consistiria em traços de luz arquivados.

- É uma definição minimalista da fotografia como impressão luminosa: mantém com o objeto um princípio quádruplo de: conexão física, singularidade, designação e atestação. É uma impressão ao mesmo tempo separada, plana, luminosa e descontínua.

- A fotografia remete sempre apenas a um único referente e determinado: atesta a existência de uma realidade, de modo que as fotografias não tem significação nelas mesmas: seu sentido lhes é exterior, é essencialmente

- A imagem é percebida como ato-traço: implica plenamente o próprio sujeito na experiência, no experimentar do processo fotográfico.

- Tal abordagem busca libertar o fotográfico do fantasma de fusão com o real.

Exercícios

Desiree

Roberto

Heloisa

Desiree.jpg
Roberto.jpg

Helena

Heloisa.jpg
Helena.jpeg

Maria Rita

Sara

Sara.jpg
Maria Rita.jpg

Julia

Julia.png

Luana

Luana.jpg

Lorena

Lorena.jpg

Maria Gabriele

Maria Gabriele.jpg

Rosana

Rosana.jpg

Giulia

Giulia.JPG

Sarah

Sarah.jpg
Rafael.png

Rafael

Caroline.jpeg

Caroline